Você está aqui: Página Inicial > Contents > Páginas > Noite (com) Arte(s) e Docência
conteúdo

Noite (com) Arte(s) e Docência

por Coordenação publicado 02/11/2021 17h10, última modificação 07/12/2021 13h02

ok 2.jpg

Seja bem-vindo (a) a “Noite (com) Arte(s) e Docência"!

 

Por que “Noite (com) Arte(s) e Docência"?

Como proferiu o cantor Raul Seixas: “sempre avante [...] flamejando meu rock, o meu grito: minha espada é a guitarra na mão”[1]. Eis, então, que esta atividade, entrelaçando arte(s) e docência, se define, em primeiro lugar, como um convite para: sempre avante, sem desaminar, o nosso grito deve ser sempre pela vida e a nossa espada a formação como barreira fundamental de proteção à vida. Em segundo lugar, se define como contexto para, por meio da palavra cantada e da ação, refletirmos a respeito do “Ser professor (a): entre a esperança e a resistência”. 

Cabe aqui um rápido esforço de síntese, “Não obstante, há que se reconhecer, que a desintegração da educação e da vida “leva necessariamente à morte ou à negação autoritária do sonho, da utopia, da esperança” (FREIRE, 2000, p. 76); “[...] o que deve ser renovado, mais uma vez, nestes momentos dramáticos, não é outra coisa senão a nossa fé, a nossa confiança, [...] (LARROSA, 2021, p. 3); “Não precisamos procurar em outro lugar motivos para ter esperança. Eles estão ali, à mão, nas lições mais corriqueiras, no menor dos exercícios, no curso que temos que fazer hoje, agora mesmo.” (MEIRIEU, 2021, s./p.). Essas breves contribuições, embora curtas, permitem diversas reflexões a respeito das potencialidades do Ser professor/a como algo (que deveria ser) intrínseco a esperança e a resistência a tudo....

Assim, sem mais, sigamos: sempre avante, sem desaminar, bradando em prol da vida, com resistência e esperança!



[1] Trecho da canção “Eu sou egoísta”, composição do próprio Raul Seixas em parceria com Marcelo Motta, incluída no álbum “Metrô linha 743”, publicado em 1984 pela gravadora Som Livre.

Por que estamos propondo e o que queremos com esta atividade?  

Estamos propondo uma “Noite (com) Arte(s) e Docência” visando fomentar uma cultura de valorização e reconhecimento público da importância da docência no modo como cada homem e mulher compreende o mundo, a vida e, por consequência, os transformam. Em essência, a profissão docente é uma condição vital para a existência das sociedades. Afinal, como escreveu (FREIRE, 2000, p.67): “Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda”.

 

Arte-linguagem

Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
[...].

Oswaldo Montenegro

 

Arte linguagem.png

Arte: "Amanhecer no Sertão Potiguar". Esta arte faz parte do conjunto de obras de @edilsonaraujoartenaif.

 

Edilson Silva Araújo, por meio da arte, perpassada de muito talento, leveza nas cores e sensibilidade, consegue nos conectar a um cenário de Vida, força, resistência (existência) sonho, utopia e de esperança. Por isso queremos pensar o: “Ser professor (a): entre a esperança e a resistência”.

* O uso desta arte foi devidamente autorizado pelo artista plástico @edilsonaraujoartenaif, a quem agradecemos.

PROGRAMAÇÃO

----------------------------------------

Ser professor: entre a esperança e a resistência

 

Detalhamento dos trabalhos

---------------------------------------------------------


  • 2º Momento: Docência: Ser professor (a): entre a esperança e a resistência
  • Exposição pelo professor convidado seguida do diálogo e contribuições dos/com os/as presentes

        Docência como sinônimo de resistência e esperança: grande urgência

 

Sobre o professor convidado:

Prof. Dr. Vitor Henrique Paro

vitor-paro.pngPossui mestrado em Educação pela USP, doutorado em Educação pela PUC-SP e livre-docência em Educação pela USP. Foi pesquisador sênior na Fundação Carlos Chagas e professor titular na PUC-SP. Atualmente é professor titular (Colaborador Sênior) da Faculdade de Educação da USP, onde exerce a pesquisa, a docência e a orientação de discípulos em nível de pós-graduação. É coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Administração Escolar (Gepae). Atua na área de Educação, com ênfase em Políticas Educacionais e Administração de Unidades Educativas. É autor, entre outros, dos seguintes livros: Administração escolar: introdução crítica, Gestão democrática da escola pública, Por dentro da escola pública, Reprovação escolar: renúncia à educação, Educação como exercício do poder, Crítica da estrutura da escola, Diretor escolar: educador ou gerente? e Professor: artesão ou operário?

*Uso de imagem autorizado pelo autor. 

Clique aqui para conhecer os trabalhos do prof. Vitor Henrique Paro

 

Organização: construção coletiva

Arte linguagem correta Didática do Ensino Superior.pngTrata-se de uma atividade promovida pelos professores e estudantes da disciplina de Didática do Ensino Superior do Programa de Pós-Graduação em Ensino – POSENSINO, em parceria com a coordenação e professores/as do referido programa. E conta ainda com a participação de estudantes dos cursos de graduação da Universidade Federal Rural do Semi-Árido – UFERSA e da Universidades Federal da Paraíba – UFPB – Campus IV, considerando a necessidade de se promover a interação e a integração das atividades dos Programas de Pós-Graduação e os cursos de graduação.

 

A disciplina de Didática do Ensino Superior - Programa de Pós-Graduação em Ensino – POSENSINO  - Período 2021.2 em poucas páginas...

 

Um muito obrigado...

Ao professor Vitor Henrique Paro nosso reconhecimento e gratidão pela colaboração.

Mais um muito obrigado... 

Aos estudantes da disciplina de Didática do Ensino Superior do Programa de Pós-Graduação em Ensino – POSENSINO; aos estudantes dos cursos de graduação da Universidade Federal Rural do Semi-Árido – UFERSA e da Universidades Federal da Paraíba – UFPB – Campus IV, que aceitaram contribuir com a realização desta atividade, nosso muito obrigado.

Agradecemos ainda a Coordenação e colegas professores do Programa - POSENSINO pela colaboração para que possamos realizar esta atividade no sentido de investir na formação dos nossos estudantes e, assim, fortalecer a identidade dos nossos Programas de Pós-Graduação como contextos de formação também para a docência universitária. 

Prof. Emerson Augusto de Medeiros 

Prof. Osmar Hélio Araújo

 

Referências bibliográficas:

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. Apresentação de Ana Maria Araújo Freire. Carta-prefácio de Balduino A. Andreola. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

LARROSA, Jorge. (2020). Mais uma vez. L@conexão. Disponível em: https://bityli.com/bTOcO. Acesso em 16 set. 2021.

FORTUNATO, Ivan; ARAÚJO, Osmar Hélio; MENA, Juanjo.  Ser professor num contexto de incertezas: a formação como resistência, 2021 (prelo).

 

Clique aqui, realize sua inscrição e participe conosco!

Esperamos vê-los/as nesta bonita "Noite (com) Arte(s) e Docência"!

ok.jpg